Últimas Notícias

Audiências de presos são suspensas por falta de combustível no Piauí

Audiências de presos são suspensas devido à falta de combustível no Piauí    — Foto: Catarina Costa/G1 PIA falta de combustível em alguns setores do governo do Estado já foi noticiada pelo G1, desde outubro deste ano, e agora o problema chegou às unidades prisionais e está impossibilitando a realização de transferências de presos e das audiências. A informação é do Sindicato dos Agentes Penitenciários do Piauí (Sinpoljuspi) e foi confirmada pela Secretaria de Justiça.
O Sindicato diz que os cartões de combustível que abastecem os carros dos presídios estão bloqueados há mais de 20 dias. “A empresa que administra os cartões informou que fez o bloqueio porque não recebeu pagamento do governo do estado”, disse o vice-presidente do Sinpoljuspi, Kleiton Holanda.
Para Kleiton Holanda, esta situação pode prejudicar o desempenho do Tribunal de Justiça do Piauí perante o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que estabelece metas para os tribunais.
“Outro agravante desta situação é a possibilidade dos presos serem soltos sem sequer passar pela audiência de custódia porque não temos como deslocar o detento. Hoje mesmo um carro trouxe um preso de Bom Jesus e vai ele continuar na Casa de Custódia porque não tem gasolina para fazer o percurso”, revelou.
O tribunal de justiça informou que se alguma audiência não ocorre por não comparecimento de presos, a responsabilidade é da Sejus.
A Secretaria de Justiça do Estado do Piauí reconheceu que há limitações financeiras referentes ao combustível de veículos e informou que está trabalhando junto ao núcleo financeiro do Governo para solucionar o problema e não prejudicar o andamento das audiências.

Falta de combustível

IML de Teresina levou mais de 12 horas para conseguir recolher o corpo.  — Foto: Lorena Linhares/G1IML de Teresina levou mais de 12 horas para conseguir recolher o corpo.  — Foto: Lorena Linhares/G1
IML de Teresina levou mais de 12 horas para conseguir recolher o corpo. — Foto: Lorena Linhares/G1

Nenhum comentário