Altobeli é ouro e salva atletismo; favoritos decepcionaram - Barra d Alcântara News

últimas

Post Top Ad

Post Top Ad

EM BREVE, SUA EMPRESA AQUI

11 de ago. de 2019

Altobeli é ouro e salva atletismo; favoritos decepcionaram



Depois de quatro dias praticamente perfeitos no estádio de Videna, o Brasil teve um sábado de decepções no atletismo dos Jogos Pan-Americanos, salvo por um herói improvável. Pouco badalado ainda que tenha sido finalista olímpico no Rio, Altobeli Santos ganhou os 3.000m com obstáculos e faturou sua segunda medalha em Lima - a primeira havia sido a prata nos 5.000m.



O ouro compensou as frustrações. O público peruano não teve muita chance de aplaudir alguns dos principais nomes da equipe brasileira. Três dos principais nomes da modalidade no país saíram sem medalhas: o campeão olímpico do salto com vara Thiago Braz, o vice-campeão mundial indoor do salto triplo Almir Jr, e o recordista sul-americano dos 110m com barreiras Gabriel Constantino.

O Brasil ainda faturou outras duas medalhas, também com atletas menos badalados; Augusto Dutra foi prata no salto com vara e Eduardo dos Santos, o Du Trem Bala, ganhou o bronze nos 110m com barreiras. Outro que era candidato a azarão, Alexsandro Melo, o Bolt, saiu machucado da final do salto triplo, com o tornozelo esquerdo torcido.

Mas essa não foi nem a única nem a mais dolorida lesão brasileira no dia. Na prova que abriu a etapa, Gabriel Constantino liderava a final dos 110m com barreiras, para confirmar seu favoritismo, e tropeçou na antepenúltima barreira. Retirado da pista em uma cadeira de rodas e sem a sapatilha do pé esquerdo. Ele e Alexsandro foram levados à clínica da Vila Pan-Americana para passarem por exames, mas inicialmente não parece ser nada grave.

Criticado por colegas da delegação por conta do cabelo descolorido, Altobeli conseguiu uma medalha para combinar com o novo visual: dourada. Depois de faturar a prata nos 5.000m, ele disse que tinha como objetivo vencer os 3.000m com obstáculos, sua principal prova. E cumpriu a meta.

Fazendo uma prova claramente conservadora, em que ditou um ritmo lento, Altobeli disparou nos últimos 600 metros e não foi alcançado por ninguém. Terminou com o tempo de 8min30s73, um segundo e meio à frente do colombiano Carlos Sanmartin. O estádio vibrou com o bronze do peruano Mario Argandoña.

"Eu estava engasgado já com o ouro. Eu ganhei a prata, como vocês sabem, e essa prova é a minha principal prova. Na hora ali eu pensei: 'Eu vou pegar a ponta, vou começar a correr na frente e tentar fazer um ritmo mais forte para que os adversários não conseguissem (acompanhar)'. Foi o que eu fiz, deu certo", comentou o fundista, que já havia reclamado das poucas oportunidades abertas a ele para correr provas fortes no exterior. Agora, com um ouro e uma prata pan-americanas no currículo, deve ficar mais fácil.




Augusto é prata

Revelado em Marília (SP), de onde também sairia Thiago Braz, Augusto Dutra chegou a ser o recordista sul-americano até que seu conterrâneo começasse a voar. Ofuscado, fez três temporadas muito ruins em 2016, 2017 e 2018. Este ano, treinando com um novo treinador, Henrique Camargo, voltou a saltar bem. E, em Lima, conseguiu o resultado mais importante de sua carreira.

Passou o sarrafo a 5,71m e, com a prata garantida, preferiu não tentar 5,76m. Tendo 5,75m como melhor da temporada, arriscou para tentar ganhar o ouro e foi direto para 5,81m. Errou as três tentativas e ficou com a prata, derrotado apenas pelo norte-americano Christopher Nilsen, que é o quarto do ranking mundial.

Quinto nessa lista, depois de fazer em Mônaco a primeira boa exibição desde o ouro olímpico, Thiago Braz voltou a saltar muito mal. Passou 5,51m, mas foi eliminado quando tentou 5,61m, terminando na quarta colocação. Como comparação, ele ganhou o ouro olímpico saltando 6,03m.

Almir chora

Protagonista do atletismo brasileiro desde que saiu do ostracismo para ser vice-campeão mundial indoor no ano passado, Almir Jr fez uma competição ruim no Pan. Voltando de lesão, errou as passadas e apresentou resultados bem abaixo do que está acostumado. Mesmo assim terminou em quarto, com 16,70m, a 13 centímetros do cubano Andy Hernández, que ganhou o bronze. Na saída da prova, chorando, pediu desculpas pelo resultado.

A prova teve bom nível, com vitória do norte-americano Omar Craddock, que saltou 17,42m. Ele é o terceiro do ranking mundial. A prata foi para o cubano Jordan Fortún, campeão mundial sub18 em 2017 e sub20 em 2018. Em Lima, ele saltou 17,38m. O brasileiro Alexsandro Melo, que tem 17,31m na temporada, se machucou no terceiro salto e não continuou na prova. Terminou em oitavo.

Fonte: Folhapress

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

EM BREVE, SUA EMPRESA AQUI