Polícia investiga se queda de avião está ligada a tráfico de drogas - Barra d Alcântara News

últimas

Post Top Ad

Post Top Ad

EM BREVE, SUA EMPRESA AQUI

1 de set. de 2020

Polícia investiga se queda de avião está ligada a tráfico de drogas

 A Polícia Civil do Piauí investiga o uso  do monomotor, que caiu na última sexta-feira (28) em Teresina, com o tráfico de drogas. O delegado Odilo Sena, do 21º Distrito Policial, afirma que a polícia atua na área criminal do caso. Na queda, o piloto Leandro Holfer morreu carbonizado.  "O avião já foi envolvido com tráfico de drogas. Como houve uma morte. Então, a princípio, pode se pensar em mero acidente, mas, além de acidente, pode configurar um crime", diz o delegado.

O delegado explica que diversos indícios levaram a Polícia Civil a investigar o envolvimento com atividades ilícitas, como o transporte de tóxico. O Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), da Força Aérea Brasileira (FAB), também investiga o caso.  Tanto o piloto como o dono da aeronave não são do Piauí, ambos são do estado do Pará. 

"Por que a gente está achando isso? Por causa de uma série de atitudes tomadas tanto pelo piloto como pelo dono da aeronave: procedimentos fora da habitualidade, fora da legislação aeronáutica. A aeronave foi retirada: sem autorização, sem certificação de voo, com o certificado de aeronavegabilidade cancelado". 

De acordo com as investigações iniciais, o delegado Odilo Sena conta que "a aeronave foi comprada do dono do aeródromo há aproximadamente sete meses".  O monomotor tem mais de 50 anos de uso. 

"Na quinta-feira o próprio dono entrou em contato com o aeródromo dizendo que  uma pessoa dele iria verificar a questão técnica da aeronave. Esse cidadão por nome de Leandro, que faleceu no acidente, apareceu com uma atitude extremamente suspeita". 

O delegado informou que o piloto Leandro fez cursos de piloto privado na cidade de Juiz de Fora, em Minas Gerais, e tentou fazer o curso de piloto comercial em outra localidade. Não há informações sobre o andamento desse segundo curso. 

"A aeronave foi liberada pelo dono. Esse rapaz veio aqui, foi até o aeródromo, com uma atitude suspeita. Na sexta-feira, no dia do acidente, ele ligou os motores para verificar. Pegou o avião e simplesmente voou, sem autorização. A sorte que o aeródromo ainda fez dois certificados, juridicamente falando colocando a responsabilidade de qualquer ato sobre o piloto. O piloto falsificou a assinatura referente a essa tratativa", conta Sena.

A causa do acidente aponta inicialmente para uma falha técnica de piloto principiante. "Segundo o próprio dono do aeródromo, ele deu, digamos assim, uma guinada no bico da aeronave muito acentuada. A aeronave perdeu o controle, provavelmente tenha entrado em parafuso, e adentrou ao chão praticamente perpendicular". 

"Não terminamos as investigações, mas preliminarmente tudo indica que houve falha humana grave, tosca. O ex-dono mantinha o avião ainda em funcionamento. Infelizmente, veio a acontecer isso". 

Drogas

"O Pará é muito utilizado para trafico de drogas. Esse avião foi comprado pelo preço de R$ 40 mil, preço barato, carregado de problemas administrativos, ou seja, tinha que ser colocado em dia toda uma documentação, burocracia necessária para a segurança de voo", diz o delegado.

Odilo Sena acrescenta que, "do ponto de vista econômico, o avião não tinha serventia nenhuma. A não ser para tratativas ilícitas, como o transporte de tóxico".

"Para aumentar a nossa suspeita, o avião tem capacidade de 240 litros de combustível, tem uma autonomia de 4h30 de voo, o local onde provavelmente iria era Novo Horizonte, no Pará. Nesse avião daria mais ou menos 3h30 de voo, ou seja, ele não iria parar em lugar nenhum. E é justamente no local onde ele e o dono residem. Para aumentar ainda mais a suspeita, o próprio dono não procurou o aeródromo depois que o seu próprio avião caiu no meio da mata. No mínimo é suspeito". 

 

Carlienne Carpaso
carliene@cidadeverde.com 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

EM BREVE, SUA EMPRESA AQUI