Chuvas invadem casas e 13 famílias são retiradas por risco de desabamento - Barra d Alcântara News

últimas

Post Top Ad

Post Top Ad

EM BREVE, SUA EMPRESA AQUI

5 de nov. de 2020

Chuvas invadem casas e 13 famílias são retiradas por risco de desabamento

 


 Imprimir
  • 18.jpgRoberta Aline/ Cidadeverde.com
  • 17.jpgRoberta Aline/ Cidadeverde.com
  • 16.jpgRoberta Aline/ Cidadeverde.com
  • 15.jpgRoberta Aline/ Cidadeverde.com
  • 14.jpgRoberta Aline/ Cidadeverde.com
  • 13.jpgRoberta Aline/ Cidadeverde.com
  • 12.jpgRoberta Aline/ Cidadeverde.com
  • 11.jpgRoberta Aline/ Cidadeverde.com
  • 10.jpgRoberta Aline/ Cidadeverde.com
  • 9.jpgRoberta Aline/ Cidadeverde.com
  • 8.jpgRoberta Aline/ Cidadeverde.com
  • 7.jpgRoberta Aline/ Cidadeverde.com
  • 6.jpgRoberta Aline/ Cidadeverde.com
  • 5.jpgRoberta Aline/ Cidadeverde.com
  • 4.jpgRoberta Aline/ Cidadeverde.com
  • 3.jpgRoberta Aline/ Cidadeverde.com
  • 2.jpgRoberta Aline/ Cidadeverde.com
  • 1.jpgRoberta Aline/ Cidadeverde.com

Após as chuvas que caíram em Teresina nos últimos três dias, a Defesa Civil já retirou 13 famílias de suas residências por conta dos riscos de desabamento. As ações aconteceram em pontos considerados áreas de risco, como os bairros Tabajaras, Dilma Rousseff, Vila Mandacaru, São Pedro e Parque Eliane.

As famílias removidas foram acolhidas através do Programa Cidade Solidária e passam a ficar, temporariamente, em outras residências.

De acordo com o gerente da Defesa Civil em Teresina, Tenente Antônio Linhares, das 56 áreas de risco mapeadas pela Prefeitura durante o período chuvoso, pelo menos, 10 estão sendo monitoradas após os estragos causados pelas chuvas dos últimos dias.

"Nem todas as áreas apresentam esse risco no momento, porque não tem cheia de rio ainda", explicou.



Vila Ferroviária

Moradores da Vila Ferroviária, zona sul de Teresina, contabilizam os prejuízos ocasionados pelas fortes chuvas que caíram em Teresina nos últimos três dias. O Local é considerado área de risco por estar nas proximidades da margem do rio Poti e pela quantidade de córregos e galerias que existem no região.

A autônoma Maria de Lourdes Ferreira estava em casa com a filha Débora, de oito anos, quando as duas foram surpreendidas pela força da água na última segunda-feira(02). A enxurrada destruiu os móveis e objetos de trabalho da mulher, que ganha o sustento com a produção de quentinhas. Ela perdeu fogão,freezer, cama, guarda roupa, além de outros itens domésticos.

"Não dá nem pra contabilizar, porque o prejuízo foi muito grande. Só quem passa é que sabe. Não deu tempo salvar nada. Foi muito rápido. Meu vizinho me ajudou a levantar a geladeira e colocar em cima de uma manilha. Foi a única coisa que deu pra salvar" relatou Maria de Lourdes.

A jovem senhora reforça que perdeu sua única fonte de renda."A água levou meus alimentos, o freezer, tudo ficou danificado. Não tem como trabalhar", contou.

O pintor Eliano Moreira estava almoçando quando foi surpreendido pela força da água na última terça-feira. Ele relata que não conseguiu salvar nenhum de seus pertences."Não tive como salvar nada, até roupas perdi", contou.

Quem também sofre com os danos causados pelas chuvas é o morador Ednaldo Pereira. Deficiente físico, ele foi surpreendido com uma cratera aberta na porta de sua residência. "A minha preocupação é com a estrutura da casa. Se afundar mais, vai cair a parede", relatou.

De acordo com os moradores, até o momento nenhuma família da Vila Ferroviária recebeu suporte por parte da Defesa Civil ou de outra secretaria do município.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

EM BREVE, SUA EMPRESA AQUI