ONG beneficia mais de 350 crianças carentes em Teresina - Barra d Alcântara News

últimas

Post Top Ad

Post Top Ad

EM BREVE, SUA EMPRESA AQUI

22 de jul. de 2021

ONG beneficia mais de 350 crianças carentes em Teresina

 Quem passa pela rua, vê o ar alegre que o espaço tem, murais coloridos, sorrisos de crianças no pátio e o portão sempre aberto que remete ao acolhimento do local a quem está em situação de rua

Este é um dos objetivos da organização não governamental Fraternidade, o amor é a resposta, que oferece diferentes atividades para crianças e intervenção comunitária.

A Fraternidade, o amor é a resposta atua com diversas ações na Vila Ferroviária e no Conjunto Murilo Resende, bairro Ilhotas, zona Sul de Teresina. Hoje, 350 crianças de 3 a 14 anos de idade, são assistidas. 

O projeto fomenta o desenvolvimento das potencialidades, criatividade e a autoaprendizagem das crianças, oferecendo atividades recreativas como judô, skate, balé.

Projeto acolhe 350 crianças (Foto: Raissa Morais)Projeto acolhe 350 crianças (Foto: Raissa Morais)

A iniciativa criada em 2007, para ajudar os moradores, começou com o apoio da instituição Cáritas alemã durante cinco anos, e hoje, preste a completar 14 anos de instituição, conta com uma rede de voluntários e com a parceria com Rotary Club Piçarra.

Outro objetivo da ONG é trabalhar as potencialidades da comunidade, com ações voltadas para o treinamento e capacitação das pessoas assistidas.

Mesmo com a pandemia da Covid-19, as atividades do projeto não foram interrompidas. A instituição desenvolveu um novo projeto para ajudar as crianças no ensino remoto. 

O “Colorindo a Vida” oferece aulas de reforço para aqueles alunos com dificuldade de acompanhar as aulas remotas. O projeto é coordenado por uma voluntária de pedagogia Nayara Maria, que todos os dias faz o acompanhamento escolar da turma.

Projeto acolhe 350 crianças (Foto: Raissa Morais)Projeto acolhe 350 crianças (Foto: Raissa Morais)Projeto acolhe 350 crianças (Foto: Raissa Morais)

“Dentro do projeto que vai além das atividades didáticas, há o desenvolvimento cognitivo da criança nessa fase, trabalhamos muito com brincadeiras lúdicas como forma de intervenção. Nesse momento, o ensino remoto é muito dificultoso para elas, de adaptação, até então as crianças não tinham essa experiência”, explica a estudante e coordenadora do projeto. 

Para evitar a disseminação da Covid-19, há um controle das crianças na turma do reforço, da qual participam 12 crianças nos turnos da manhã e mais 12 no turno da tarde.



Além do acompanhamento pedagógico, a ONG oferece alimentação, acompanhamento psicológico e, recentemente, consultas odontológicas. “Todas essas ferramentas são um auxílio para o apoio pedagógico. Está sendo bem proveitoso porque um projeto como esse, em lugares como esse, são de grande ajuda para a comunidade que não tinha acesso antes. Pretendemos aumentar o número de turmas”, acrescentou.

Entidade revela talentos e ajuda comunidade

O trabalho desenvolvido aqui já revelou talentos para outros estados do Brasil. A aluna Raissa Michely Dantas, 13 anos, participou de seletiva de balé em Curitiba.

Além dela, que estuda no 8º ano do ensino fundamental, sua irmã, Raquely Dantas, de 8 anos, diz que desenvolveu melhor as tarefas da escola com as atividades que a organização realiza.


“Moro aqui na vila, chego na Fraternidade às 8h30 e fico até 11h, aprendi muita matemática no reforço porque só tirava notas baixas e melhorei em língua portuguesa”, contou ela, agradecendo.

Outra frente da ONG é ofertar cursos de reciclagem e capacitação para jovens da comunidade através de uma parceria feita com Fundação Wall Ferraz, da Prefeitura e Teresina.

(Foto: Raissa Morais)

A moradora da comunidade e mãe do adolescente Anderson de 14 anos, Maria Débora Ribeiro, apoia a iniciativa das oficinas que abrem portas para a capacitação profissional.

“Hoje meu filho tem 14 anos e já fez judô aqui, agora ele está estudando o curso de empreendedorismo. Quem conhece sabe que o trabalho da organização vale a pena, todo tipo de assistência aqui é bem acolhido por eles”, admitiu.


ONG oferece cursos de capacitação para a comunidade (Foto: Raissa Morais)

Instituição acolhe e retribui ajuda de parceiros

A psicóloga e ex-freira, Rita Lisboa, fundadora e coordenadora da ONG explica que a Fraternidade, o amor é a resposta atende, prioritariamente, crianças e surgiu em consequência de um pedido urgente da população.

“Tudo começou na minha casa, inicialmente queria atuar com usuários de drogas, mas o acesso a eles estava difícil e depois veio um grupo de apoio com pessoas e pensamos nas crianças porque a maioria aqui é filho, sobrinho, vizinho de algum usuário e assim foi. Começamos a atuar nesse prédio, fizemos parcerias e beneficiamos cerca de 780 pessoas, distribuídas em 250 famílias em sua maioria em condições de vulnerabilidade social, desemprego, baixa escolaridade”, relata.


Rita Lisboa idealizou o projeto (Foto: Raissa Morais)

A coordenadora e a equipe de educadores voluntários ensinam valores importantes e contribuem para a educação dos pequenos e o desenvolvimento da comunidade. “A metodologia foi criar grupos de prevenção com aporte teórico do tratamento comunitário e dividimos em quatro núcleos: cuidado com crianças e adolescentes, escuta comunitária, capacitação profissional e formação de equipes de instrutores. A instituição cresceu muito, temos um bazar solidário e uma oficina de reciclagem em que muitos usuários de drogas trazem ferro, plásticos, vidro e acabam limpado a vila, revendemos e nos ajuda nas despesas e já serve de sustentabilidade”, pontua Rita Lisboa.


Tendo o amor e a educação como instrumentos de mudança social, Rita vê a comunidade como fonte criativa, inspiradora e multiplicadora. Sua honrosa atuação à frente até hoje da Fraternidade, o amor é a resposta garante o sorriso no rosto de crianças que vivem naquela região. A coordenadora revela o que a motivou.

“Desde cedo percebo uma desigualdade social. Muitas pessoas não começam um trabalho como esse porque acham que têm pouco, eu comecei e não tinha nem um biscoito para oferecer para as crianças. O pouco já muda a vida de uma criança, de um morador de rua. E aqui na ONG, o portão está sempre aberto para todos, eles chegam a qualquer hora, tomam banho, recebem uma roupa, fazem um lanche, é um acolhimento que eles precisam ter, um lugar de refúgio”, finalizou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

EM BREVE, SUA EMPRESA AQUI