Saúde tem 72 horas para explicar por que Nordeste recebeu menos vacinas - Barra d Alcântara News

últimas

Post Top Ad

Post Top Ad

EM BREVE, SUA EMPRESA AQUI

21 de jul. de 2021

Saúde tem 72 horas para explicar por que Nordeste recebeu menos vacinas



Os Ministérios Públicos do Estado do Ceará (MPCE), Federal (MPF) e do Trabalho (MPT) deram 72 horas para que o Ministério da Saúde explique o por quê dos estados do Nordeste receberem menos doses de vacinas contra a Covid-19 do que os das regiões Sul e Sudeste do Brasil.

Segundo o promotor de Justiça e coordenador do Centro de Apoio Operacional da Saúde (Caosaúde), Eneas Romero, no Sul e no Sudeste, os estados receberam mais de 80% do quantitativo de vacinas proporcional à população. No Nordeste, o percentual cai para até 70%.


“No Ceará, esse número é 61,59%. Ou seja, o Estado [Ceará] é o 23º do Brasil no recebimento de doses proporcionalmente à população, mas é o 2º que mais aplica vacinas”, calcula o promotor, em entrevista ao Diário do Nordeste.

Vacinas chegam em menor quantidade ao Nordeste, segundo cálculo do MPCE | foto: Divulgação


Para o levantamento, os MPs utilizaram informações do MS e do consórcio de veículos de imprensa, que organiza dados das secretarias estaduais da Saúde. Os números coletados são até esta segunda-feira (19). No período, o Ceará recebeu 5.658.668 doses via Programa Nacional de Imunização (PNI).

“A vida de um cidadão tem o mesmo valor independente do estado em que ele resida. Vacinação é para todos”, enfatiza o promotor.

Prazo começou a contar nesta terça (20)

O prazo para a resposta começou a contar nesta terça-feira (20), segundo o Ministério Público do Ceará. O ofício foi enviado por e-mail e também cobra uma resposta a pedido feito em abril pelo acréscimo de 1,440 milhão de vacinas para o Ceará. O pedido foi feito em abril deste ano, mas não foi respondido pelo Ministério da Saúde.

Os órgãos pediram para o Programa Nacional de Imunização (PNI) revisar a meta de vacinação, com envio maior de doses em relação ao total da população.


"Esse pedido foi reiterado umas três vezes e não obtivemos respostas até hoje", explica Eneas, acrescentando que, neste período, outras unidades federativas já receberam doses extras de vacinas. Dentre elas, Amazonas, Maranhão e Distrito Federal.

Na época, o pedido tinha o objetivo de suprir a defasagem e desproporção no número de doses enviados ao Estado pelo PNI para os grupos prioritários contemplados na época, que eram idosos e profissionais de saúde.

Com informações do Diário do Nordeste

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

EM BREVE, SUA EMPRESA AQUI