Mais de 50 mi de pessoas perderam um familiar durante pandemia no Brasil - Barra d Alcântara News

últimas

Post Top Ad

Post Top Ad

EM BREVE, SUA EMPRESA AQUI

15 de ago. de 2021

Mais de 50 mi de pessoas perderam um familiar durante pandemia no Brasil



Mais de 50 milhões de pessoas perderam um integrante da família no Brasil durante a pandemia da Covid-19, desde fevereiro de 2020, quando chegou ao país, segundo estudo da Presidência da República e divulgado, em Teresina, pelo ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira.

"Mais de 50 milhões perderam um membro de sua família. O cálculo é de 1 para 100", afirmou Ciro Nogueira, lembrando que perdeu para a pandemia da Covid-19 o primo a quem era mais ligado, o corretor de imóveis e ex-presidente do Conselho Regional de Corretores de Imóveis (Creci) Nogueira Neto.


"Foi uma das primeiras mortes por Covid-19 no Piauí", lembrou Ciro Nogueira.


Ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira - Foto: Divulgação


De negacionismo, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) agora fará a comemoração da distribuição de 200 milhões de doses da vacina contra Covid-19 para os estados e Distrito Federal, marca anunciada no final de semana pelo Ministério da Saúde.

A comemoração será feita em um pronunciamento nesta segunda-feira (16) do presidente Jair Bolsonaro.

O Brasil chegou a ficar uma semana com média móvel de óbitos por Covid-19 abaixo de mil registros. Além disso, logo nas primeiras semanas do mês de agosto, o Brasil chegou a registrar o menor índice de ocupação de leitos chegando abaixo de 80%.

Para o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, os resultados provam a eficiência do Programa Nacional de Imunizações (PNI) e da força do SUS (Sistema Único de Saúde).


“O enfrentamento eficaz à Covid-19 e aos outros problemas de saúde pública é prioritário. Precisamos retomar à nossa vida normal. A nossa campanha tem mostrado a sua importância com os resultados do avanço da vacinação. Por isso, seguimos unidos e fortes nesta luta, neste objetivo que é vacinar toda a população brasileira até o fim do ano”, contou Queiroga.

Para o secretário executivo do Ministério da Saúde, Rodrigo Cruz, a principal arma para acabar com a pandemia é, de fato, a vacinação.

Ele lembrou que medidas como higienização, distanciamento seguro, uso de máscara, ambientes arejados, devem continuar na rotina da população brasileira até que todos estejam vacinados.

“Além da vacinação, a gente precisa continuar com as medidas chamadas não-farmacológicas. Porque, por intermédio dessas medidas, a gente evita o espalhamento do vírus e o contágio. Então, com os protocolos sanitários a gente garante uma retomada de todas as atividades da forma mais segura possível”, falou o secretário executivo Rodrigo Cruz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

EM BREVE, SUA EMPRESA AQUI