Dívida do governo cai pelo sexto mês seguido em relação ao PIB, diz BC - Barra d Alcântara News

últimas

Post Top Ad

Post Top Ad

EM BREVE, SUA EMPRESA AQUI

29 de set. de 2021

Dívida do governo cai pelo sexto mês seguido em relação ao PIB, diz BC

 Foto: Roberta Aline/Cidadeverde.com

A dívida bruta do governo foi a 82,7% do PIB (Produto Interno Bruto) em agosto, redução de 0,4 ponto percentual em relação ao mês anterior. Os dados foram divulgados pelo BC (Banco Central) nesta quarta-feira (29).

Esta é a sexta queda consecutiva do endividamento do país em relação ao PIB. O percentual é o menor desde maio de 2020.

De acordo com a autarquia, o resultado se deu principalmente por causa do aumento da atividade econômica no período, que contribuiu em 1 ponto percentual.

Na comparação anual, houve redução de 6,2 pontos percentuais na dívida bruta.

No total, a dívida bruta somou R$ 6,84 trilhões em agosto. Se for considerado o valor em reais, a dívida manteve trajetória de crescimento nos últimos meses. Em julho, o montante somava R$ 6,79 trilhões e R$ 6,72 trilhões em junho.

A comparação é feita em relação ao PIB para mostrar se a dívida do governo é sustentável.

O endividamento registrou crescimentos expressivos por mês desde o início da pandemia de Covid-19. Depois da chegada do vírus ao país, o governo teve de gastar mais em programas emergenciais, como o auxílio emergencial e linhas de crédito para empresas.

Em fevereiro deste ano, a dívida alcançou 89,36% do PIB, maior percentual da série histórica iniciada em 2006. No mesmo mês de 2020, último antes dos impactos da crise sanitária, a dívida estava em 75,16%.

A partir de março, contudo, o endividamento -em relação ao PIB- começou a cair.

Segundo expectativas do mercado coletadas pelo BC, os economistas consultados projetam que a dívida encerre o ano em 82,05% do PIB e volte a crescer nos anos seguintes, chegando a 85% em 2025.

A dívida líquida, que desconta os ativos do governo, também registrou queda de 0,4 ponto percentual em agosto e chegou a 59,3% do PIB. Segundo o BC, o crescimento da atividade econômica contribuiu em 0,7 ponto e a alta do dólar de 0,42% no mês puxou 0,1 ponto para baixo.

Quando o dólar sobe, há redução no valor da dívida líquida em reais porque são descontadas as reservas internacionais, mensuradas em moeda americana.

Além disso, o resultado positivo das contas públicas no mês reduziu a dívida em 0,2 ponto.

Pela metodologia do BC, o governo teve superavit de R$ 16,7 bilhões em agosto. Nos últimos doze meses, no entanto, o setor público acumula resultado negativo de R$ 130,3 bilhões (1,57 % do PIB).

O resultado primário indica a capacidade do governo de pagar as contas, excluindo os encargos da dívida pública. Se as receitas são maiores que as despesas, há superavit. Caso contrário, há deficit.

O resultado nominal, que inclui o custo da dívida, foi deficitário em R$ 29,7 bilhões no mês.

Em agosto, o governo desembolsou R$ 46,5 bilhões com juros da dívida pública. No mesmo mês do ano passado, foram R$ 34,3 bilhões. O aumento se deu em razão da alta da taxa básica (Selic) e da inflação no período.

Fonte: Folhapress 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

EM BREVE, SUA EMPRESA AQUI