Piauiense pede ajuda para apresentar trabalho na Nigéria - Barra d Alcântara News

últimas

Post Top Ad

Post Top Ad

EM BREVE, SUA EMPRESA AQUI

16 de jan. de 2020

Piauiense pede ajuda para apresentar trabalho na Nigéria



Fazer pesquisa no país não é uma tarefa fácil, e para quem vem de uma família humilde, do interior do Piauí e escolhe como profissão a advocacia, o caminho pode ser ainda mais complicado. Maria da Conceição Teixeira de Lima, conhecida como Mona Lima, se formou na Universidade Estadual do Piauí (Uespi), em Teresina, e agora foi aprovada para apresentar um trabalho científico na Nigéria, África Ocidental, e precisa de ajuda financeira para custear a viagem. 

Piauiense pede ajuda para apresentar trabalho na Nigéria. (Foto: Arquivo Pessoal)


“Minha mãe me ajudou vendendo sorvete nos festejos de toda a região de Barras, José de Freitas, Campo Maior e Esperantina. Minha mãe é minha grande heroína. Eu sou a primeira da minha família a entrar na universidade e a estar dando continuidade à vida acadêmica. Quando entrei na universidade, eu era a única mulher negra daquele espaço”, conta Mona Lima. 

A piauiense se autodenomina afropindorâmica, o que significa que tem descendência afro e indígena. O termo foi criado por Antônio Bispo dos Santos, o Nego Bispo, quilombola do Sul do Piauí. Na universidade, Mona buscou se envolver com o movimento negro, reinvindicações para melhorias dos campus, foi bolsista e se encontrou na pesquisa acadêmica. 

Ao concluir o curso, Mona se mudou para o Rio de Janeiro, onde teve contato com a favela e ingressou no mestrado em 2018. “Em 2018, entrei no mestrado de Cultura e Territorialidade da Universidade de Federal do Fluminense. E o trabalho que vou apresentar na África é sobre quilombo, oralidade e produção de significados, que nas comunidades tradicionais são espaços de produção de conhecimentos e significados”, explica. 

Na Conferência Internacional Brasil na África/África no Brasil, que tem como tema “África/ Brasil: Compartilhando entendimentos da diáspora negra no Mundo Novo”, a estudante busca dar visibilidade ao conhecimento produzido por comunidades tradicionais. Ela irá apresentar também o documentário “Esperança 1770”, de Carmem Kemoly, que conta a história da primeira advogada negra do Piauí. 

“A história da Esperança sempre me tocou com profundidade, e a Carmem é minha amiga há quase 10 anos, então acompanhei o processo de produção. Para mim, exibir o filme no evento é como se levasse a narrativa de volta, como se estivesse levando a Esperança Garcia de volta para o continente africano”, pontua Mona Lima. 

Como ajudar 

A piauiense precisa de R$ 8 mil para ir à África e custear a solicitação de visto, passagem, seguro de viagem, taxa de inscrição e hospedagem no hotel, fora alimentação. Para quem quer ajudar a estudante levar um pedaço do Brasil para a Nigéria, pode depositar qualquer quantia na conta do Banco do Brasil ou na vaquinha online: MARIA C T LIMA, Agência: 2844-4, Conta: 23.624-1, até o dia 31 de janeiro. O comprovante do depósito deve ser enviado para o número (21) 9 8868-4877.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

EM BREVE, SUA EMPRESA AQUI