‘Enquanto houver leitos em Teresina, haverá leitos para Timon’, diz Firmino após polemica - Barra d Alcântara News

últimas

Post Top Ad

Post Top Ad

EM BREVE, SUA EMPRESA AQUI

21 de mai. de 2020

‘Enquanto houver leitos em Teresina, haverá leitos para Timon’, diz Firmino após polemica

RobertaAline/CidadeVerde.com
O prefeito Firmino Filho defende a importância do decreto que estabelece barreiras sanitárias nas pontes que ligam o município de Timon (MA) a Teresina. Firmino diz que a medida foi feita após diálogo com o prefeito da cidade vizinha, Luciano Leitoa. 
Firmino tem recebido críticas de um possível tratamento discriminatório com os vizinhos. Ele nega e gravou vídeo para explicar a situação. Para entrar em Teresina, os motoristas precisam apresentar documentação e a demora nas barreiras causam filas e reclamações. 
Com relação ao atendimento de paciente de Timon em Teresina, Firmino afirma que estão mantidos dentro da capacidade de leitos da capital. ‘Tenho mantido contato permanente com o prefeito Luciano Leitoa. Assim como Teresina, ele assinou decreto para garantir que só serviços essenciais estejam funcionando. Se você faz parte dos serviços essenciais pode e dever vir para Teresina. Se não, tem que ficar em casa. É isso que eu e o Luciano Leitoa decidimos. Enquanto houver leitos em Teresina, haverá leitos para Timon. Isso foi definido pelos dois estores. Esse é um acordo que vamos honrar’, destacou. 
Segundo Firmino, as barreiras na ponte buscam monitorar a entrada de pessoas de outros municípios do Maranhão. 
‘Teresina e Timon são extensões uma da outra. Não vai ser uma pandemia que vai acabar com isso. Nossa cidade continua de portas abertas, inclusive, para receber paciente de urgência e emergência, assim como os demais pacientes regulados por Timon, cumprindo o pacto de Saúde e solidariedade entre as duas cidades. Mas as pontes são entradas para diversos outros municípios e é isso que nós precisamos monitorar, até porque não temos nenhum tipo de regulação para atender tantas outras cidades do Maranhão e de outros estados, nós não temos como suportar essa sobrecarga”, disse o gestor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

EM BREVE, SUA EMPRESA AQUI