Crianças estão mais vulneráveis à intoxicação por álcool em gel - Barra d Alcântara News

últimas

Post Top Ad

Post Top Ad

EM BREVE, SUA EMPRESA AQUI

16 de jul. de 2020

Crianças estão mais vulneráveis à intoxicação por álcool em gel

Foto: Roberta Aline/Cidadeverde.com

Com a alta demanda e utilização de álcool em gel nesse período de pandemia do novo coronavírus, a exposição a essa substância tem sido elevada. Devido a isso, muitas crianças podem sofrer intoxicação por conta da má utilização do produto e ter consequências sérias em seu corpo.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) solicitou aos Centros de Informação e Assistência Toxicológica (CIATox) um levantamento de casos de exposição tóxica ao álcool em gel. Os dados apontam que foram constatados cerca de 108 casos de exposição entre adultos e crianças de janeiro a abril deste ano. No mesmo período, que compreende os anos de 2018 e 2019, foram constatados apenas 15 e 17 casos, respectivamente.

Quando exposta ao veneno, a criança sofre consequências mais sérias do que um adulto. O pediatra da Dmi, Maurício Raulino Barbosa, informa os principais sinais que os pequenos podem apresentar ao sofrerem intoxicação. "Entre os bebês, o pior dos cenários é se eles estiverem com a respiração mais lenta e uma sonolência pesada. Os principais sintomas que podem se apresentar são tontura, geralmente em uma criança que já anda, além de fala arrastada em uma criança que já fala. A sonolência ocorre mais nos bebês e a respiração mais lenta", explica.

As crianças estão mais suscetíveis a obterem lesões mais graves por possuírem uma estrutura corporal menor, metabolismo mais rápido e órgãos internos mais vulneráveis a danos quando atacados por toxinas. Maurício Raulino recomenda algumas medidas e orientações aos pais.

"Em bebês talvez seja melhor que os pais adotem outras medidas de proteção e não passem álcool em gel nas mãos dos filhos pequenos. Visto que, nessa idade, evitar que a criança coloque a mão na boca é quase impossível. Mas, em crianças maiores, não há risco e o hábito de lavar as mãos e passar o álcool em gel pode ser mantido", orienta o pediatra.

O bebê, em torno de um ano de idade, que ingerir uma quantidade de álcool em gel suficiente para causar danos ao seu corpo, deve ser levado para o hospital e receber uma hidratação mais eficiente. O médico informa ainda, que em casos de dúvidas, os pais ou responsáveis podem ligar para o Disque-Intoxicação. "O Disque-Intoxicação, criado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), atende pelo número 0800-722-6001. A ligação é gratuita e o usuário é atendido por uma das 36 unidades da Rede Nacional de Centros de Informação e Assistência Toxicológica (Renaciat). No portal da Anvisa é possível encontrar também os números de telefone de cada estado", finaliza o especialista.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

EM BREVE, SUA EMPRESA AQUI