DHPP investiga se técnico morto contratou executadores para outro homicídio - Barra d Alcântara News

últimas

Post Top Ad

Post Top Ad

EM BREVE, SUA EMPRESA AQUI

14 de ago. de 2020

DHPP investiga se técnico morto contratou executadores para outro homicídio

 O Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP) investiga se o técnico em Radiologia, Kleiton Ângelo Guedes Assunção Martins, morto a tiros no dia 11 de dezembro de 2019, teria contratado, semanas antes, os próprios executores para realizar outro homicídio.  

A morte do técnico teria como motivação o pedido de reembolso já que o crime encomendando não foi executado.  O delegado Jarbas Lima, do DHPP, relata que essa linha de investigação surgiu após as prisões e os depoimentos dos dois suspeitos de matá-lo. 

O segundo suspeito de matar o técnico foi preso na cidade de Potirendaba em São Paulo, na tarde de quinta-feira (13). Ele foi identificado pelas iniciais A.P.O. Segundo a Polícia Civil, ele é conhecido pelo apelido de "presídio" e seria o autor dos disparos contra a vítima. Outro suspeito, Juniel Sousa Silva, também foi preso em São Paulo, mas na capital paulista, no dia 10 de julho de 2020.  Juniel já foi recambiado para Teresina, e o segundo suspeito ainda será. 

"A vítima estaria intermediando um plano de morte com relação a uma pessoa, que teria contratado esse rapaz que foi preso ontem e o que foi preso no mês de julho - no caso os executores da vítima - para uma terceira pessoa. Isso é uma investigação", diz o delegado. 

No dia do crime, a moto da vítima ficou no local onde ele foi executado, em um matagal na zona rural de Teresina. Familiares informaram que a vítima saiu de casa para vender um colar de ouro. 

Com as prisões, as investigações da Polícia Civil avançou para essa hipótese de motivação do crime: Juniel, um dos investigados, revelou em depoimento que ele e o comparsa teriam sido contratados por Kleiton para assassinar uma pessoa. A recompensa era de R$ 5 mil. Metade do valor teria sido pago, mas o crime não chegou a ser executado. O técnico em radiologia teria sido morto quando foi exigir o dinheiro de volta. 

"(A.P.O.) é um indivíduo de alta periculosidade. Ele foi se refugiar em São Paulo, réu em vários processos, inclusive é suspeito de vários crimes na nossa área , na zona Sudeste.  Consta no inquérito policial que ele foi o executor da vítima com vários disparos de pistola .40", comenta o delegado. 

 

Da Redação
redacao@cidadeverde.com 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

EM BREVE, SUA EMPRESA AQUI