“Se governo decreta, capital terá que decretar”, diz Firmino sobre Lei Seca - Barra d Alcântara News

últimas

Post Top Ad

Post Top Ad

EM BREVE, SUA EMPRESA AQUI

20 de out. de 2020

“Se governo decreta, capital terá que decretar”, diz Firmino sobre Lei Seca

 Foto: Roberta Aline

A Prefeitura de Teresina seguirá o decreto do Governo do Estado que instaura Lei Seca no final de semana. A medida faz parte de ações para impedir o crescimento de novos casos da covid-19  no Piauí. O anúncio dessas providências foi realizada ontem(19) pelo governador Wellington Dias (PT) em entrevista ao Jornal do Piauí. 

Segundo o prefeito, a capital não pode flexibilizar uma determinação do governo.

"Teresina é capital do Piauí, se o governo decreta para todo o Estado, a capital terá que decretar. Não existe nenhuma dicotomia entre Teresina e o Estado. O entendimento do Supremo é bastante claro, quem tem obrigação é o Estado. A Prefeitura pode ser mais rígida que o governo estadual. Mas, não pode flexibilizar a decisão que cabe ao governo do Estado", destacou. 

Firmino afirma que a situação na capital é tranquila. Segundo ele, não ha sinais de uma possível nova onda da doença. 

"Estamos visitando os hospitais especialmente os hospitais de campanha, que foram que foram abertos no período da pandemia. O pico da doença em Teresina foi em junho. Houve uma queda em julho, agosto e setembro e em outubro ficou estável com leve tendência de queda. Isso tem se refletido nos nossos hospitais. Chegamos a ter quase 80 pacientes aqui e estamos com 20 pacientes. A situação de Teresina é tranquila e nos permite uma continuidade dessa normalidade", disse.

De acordo com o prefeito, a preocupação é com relação ao comportamento da doença no interior do estado.

"Temos que esperar se existe algum problema no interior. Ouvimos as notícias referentes ao interior do estado e temos que esperar para  saber se confirma. Independente disso, a capacidade hospitalar do interior do estado segue mantida. O Pedro Balzi e o hospital João Claudino seguem mantidos", destaca.

Ele descarta a possibilidade de fechar os hospitais de campanha devido ao crescimento de casos no interior. 

"Se somarmos 50 leitos do Hospital do Monte Castelo com mais 80 leitos do Pedro Balzi são 130. Estão ocupados menos de 40. Tem uma capacidade ociosa. Se não fosse a incerteza sobre o futuro poderíamos falar em fechar. Não sabemos o comportamento dessa doença como vai progredir. A retomada da economia não impactou a curva de crescimento ", informou Firmino.

O decreto do governo do Estado com a Lei Seca e outras medidas restritivas deve sair na tarde desta terça-feira(20). 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

EM BREVE, SUA EMPRESA AQUI