Brasil chega a 200 mil mortes por Covid-19 após série de erros no combate à pandemia - Barra d Alcântara News

últimas

Post Top Ad

Post Top Ad

EM BREVE, SUA EMPRESA AQUI

8 de jan. de 2021

Brasil chega a 200 mil mortes por Covid-19 após série de erros no combate à pandemia

 Foto: Antonio Molina/Zimel Press/Folhapress

Bastaram apenas 72 horas para que a vida de Tiago Cária Sartini, 38, mudasse para sempre. No intervalo de três dias, o engenheiro perdeu o pai e a mãe para Covid-19.

José Luiz Sartini, 73, e Maria das Graças Cária Sartini, 69, tomavam todos os cuidados possíveis para evitar o contágio. Não foi o suficiente. "Qualquer um que minimize essa doença tem, no mínimo, um déficit cognitivo" diz o filho.

Ambos fazem parte da triste marca que o Brasil atinge nesta quinta-feira (7). Após dez meses desde o registro da primeira vítima por aqui, em 16 de março, o país contabiliza 200 mil mortes pela doença e uma série de erros no combate à pandemia, alguns deles passíveis de responsabilização do presidente da República, apontam especialistas em saúde pública e direito.

Somos o segundo país do mundo com mais óbitos em números absolutos, atrás apenas dos Estados Unidos. E, assim como lá, a condução do combate à pandemia por aqui rendeu e continua a render críticas.
Se o agora quase ex-presidente americano Donald Trump desdenhou e minimizou os efeitos do novo coronavírus em seu país, a gestão Jair Bolsonaro (sem partido) não fez diferente e até seguiu alguns exemplos, apontam os especialistas.

Negacionismo, pouco caso, incompetência, crimes contra a saúde da população e violações de tratados internacionais que colocaram o Brasil em uma situação tão delicada quanto vexaminosa são apenas alguns dos erros apontados -por ação ou omissão- que pesam contra o governo brasileiro. Isso, de acordo com a opinião de quem desde o início vive, estuda e tenta minimizar os efeitos da pandemia.

"Após o período de gestação dessa pandemia, parimos um rebento com muitos e diferentes defeitos congênitos. Alguns indeléveis", diz a pneumologista e pesquisadora da Fiocruz Margareth Dalcolmo, uma das profissionais de saúde mais atuantes durante a pandemia.

Às 22h30 da véspera do dia em que o Brasil chegaria à nova marca recorde de óbitos, logo após terminar mais um laudo de uma vítima da Covid-19, pouca coisa ainda parecia fazer sentido para ela. "Ninguém se recupera de 200 mil mortes."

A percepção dos familiares das vítimas não é muito diferente. "Negar a doença, colocar empecilhos para o tratamento, falar que o sujeito 'vira jacaré' [se tomar a vacina], isso tudo é desinformar a população", diz Tiago, ele próprio eleitor de Bolsonaro no segundo turno em 2018. "O pior é que muita gente sai replicando isso."

O efeito disso é que, assim como as mortes se avolumaram, as informações sobre mandos e desmandos do governo federal no curso da pandemia se sucederam em velocidade assustadora. "São crimes de responsabilidade e contra a saúde pública passíveis de punição aqui e no Tribunal Penal Internacional", diz a professora aposentada da USP Sueli Dallari, especialista em direito sanitário.

Essas são alguns dos motivos que, de acordo com especialistas ouvidos pela reportagem, nos aproximaram mais rapidamente da marca de 200 mil óbitos.

Fonte: Folhapress (Emilio Sant'anna)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

EM BREVE, SUA EMPRESA AQUI