Olimpíadas superam apreensão pela Covid e celebram repercussão esportiva - Barra d Alcântara News

últimas

Post Top Ad

Post Top Ad

EM BREVE, SUA EMPRESA AQUI

7 de ago. de 2021

Olimpíadas superam apreensão pela Covid e celebram repercussão esportiva

 Foto: Mirian Jeske/COB

Muitos duvidaram de sua realização, outros criticaram a insistência em levá-las adiante em meio a uma pandemia. O povo japonês, em sua maioria, não queria recebê-las.

Após 17 dias, as Olimpíadas de Tóquio-2020 terminam com a sensação de que a repercussão esportiva superou o medo de um possível surto (que não ocorreu) de Covid-19 durante a competição.

O Estádio Olímpico de Tóquio apresenta neste domingo (8), às 8h, a cerimônia de encerramento dos Jogos Olímpicos de 2020, realizados em 2021.

Termina, assim, uma edição histórica, sem a presença de público pagante nas arquibancadas, sob a ameaça de um vírus que matou 4 milhões pelo mundo e com uma bolha olímpica para tentar isolar os japoneses dos estrangeiros.

Os Jogos já chegaram a ser cancelados, como os de 1916, 1940 e 1944, por conta das Grandes Guerras Mundiais. Adiados de um ano para o outro, em meio a uma crise global de saúde, foi a primeira vez.

Para o presidente do COI (Comitê Olímpico Internacional), Thomas Bach, vilão para muitos japoneses por insistir no evento, o saldo é positivo. "Confesso que, depois da decisão das autoridades japonesas de vetar público, eu tinha preocupação de que faltaria alma aos Jogos. O que vimos aqui foi totalmente diferente, porque os atletas deram alma ao evento", diz.

A cerimônia de encerramento deve explorar a ideia de que uma pluralidade de mundos foi compartilhada ao longo das competições e apostar que o futuro será melhor após essa tempestade sanitária. No fim, o Japão passará o bastão para a francesa Paris, a anfitriã em 2024.

A ginasta Rebeca Andrade, que conquistou duas medalhas (prata e ouro) e encantou em uma apresentação solo embalada pelo funk "Baile de Favela", será a porta-bandeira da delegação brasileira. A previsão é manter o gesto da festa de abertura: enviar no máximo cinco pessoas para a despedida.

Na sexta-feira (6), o primeiro-ministro japonês, Yoshihide Suga, negou a relação entre o crescimento de casos no país com as Olimpiadas. "Não acho que os Jogos de Tóquio sejam as causas disso", afirmou ele, que foi um dos que insistiu na realização do evento.
Segundo dados oficiais, houve 36 casos entre os 42 mil testes feitos na chegada dos estrangeiros nos aeroportos. Cerca de 570 mil foram realizados dentro do Japão durante as competições. Até sexta-feira (6), foram 387 resultados positivos para o coronavírus –251 de residentes e 136 de fora. Apenas 29 são de atletas.

"Esperávamos um certo número de casos positivos, e tivemos que adotar rápidas ações para responder a isso. Não foi uma grande confusão até agora, e já estamos chegando à cerimônia de encerramento", celebrou Masa Takaya, porta-voz do comitê de Tóquio-2020.

Na esfera macro-esportiva, três estrelas globais- Simone Biles, Naomi Osaka e Novak Djokovic - frustraram as expectativas de pódio. A deserção deuma atleta de Belarus causou turbulência internacional, e alguns protestos políticos –como o de Raven Saunders, negra e LGBTQI+, no pódio– não foram punidos pelo COI.

Foto : Wander Roberto/COB

Em pouco mais de duas semanas, uma forte onda de calor infernizou a vida dos atletas. O comitê organizador deu sinais de falta de planejamento para enfrentar temperaturas diárias acima de 30ºC. Em eventos nas áreas de competições no skate, na canoagem e no parque Odaiba, onde ocorreu a maratona aquática, as pessoas ficaram expostas.
A ameaça de um tufão foi outro vilão meteorológico. Ventos fortes obrigaram organizadores a antecipar finais do surfe e alterar outras modalidades.

Pesquisas mostravam uma população avessa às Olimpíadas, sob discurso de que a chegada de estrangeiros poderia ser uma via de transmissão da Covid-19. Tóquio viveu dois mundos paralelos. Causava estranhamento aos moradores a aparição de alguém com a credencial oficial dos Jogos pendurada no pescoço.

Há três semanas, a cidade registrou 882 casos. Sete dias depois da abertura oficial do evento, foram 3.300. Na última sexta (6), já eram 4.515 novas infecções, mesmo dia em que o Japão atingiu a marca de 1 milhão de diagnósticos desde o início da pandemia.

Segundo o presidente do COI, que passou as últimas semanas pedindo apoio da população local, 9 entre 10 japoneses assistiram a alguma parte dos Jogos pela televisão. Ele atribui a audiência também ao desempenho dos atletas conterrâneos, que até sábado (7) haviam conquistado 52 medalhas -24 de ouro, 12 de prata e 16 de bronze.

"Podemos concluir que o povo japonês apoiou e abraçou os Jogos. Isso não é sentimento, é baseado em evidências", diz Bach.

A temperatura estava alta na cidade e na política também. Durante as Olimpíadas, a velocista Kristsina Tsimanouskaia, da Belarus, foi obrigada a suspender sua participação depois de ter criticado publicamente a federação de atletismo do seu país.

Belarus é uma ditadura comandada por Alexander Lukachenko. O filho dele, Viktor Lukachenko, dirige o comitê olímpico local. Sua eleição não é reconhecida pelo COI, que lhe negou credencial para Tóquio.

"Não é nossa missão mudar o sistema político de um país. Nossa responsabilidade é proteger os atletas até onde podemos e aplicar sanções a quem está infringindo nossos valores", diz Thomas Bach em relação ao veto ao filho do ditador. Tsimanouskaia pediu asilo na Polônia. Atendida, seguiu para Varsóvia.

Tóquio-2020 chega ao fim com certa frustração em relação ao protagonismo de suas três grandes apostas globais.

A americana Simone Biles, dona de quatro medalhas olímpicas na Rio-2016, desistiu de disputar as principais finais, levantando o importante debate sobre a saúde mental dos atletas.

Ao contrário de Biles, o tenista número um do mundo, o sérvio Djokovic, foi mal dentro da quadra e pior fora dela. Não ficou nem com o bronze no torneio individual, mostrou descontrole emocional ao quebrar uma raquete, e, pior, lhe faltou espírito esportivo ao desistir de disputar o terceiro lugar nas duplas mistas.

Sobretudo japoneses sentiram a queda precoce de Naomi Osaka nos Jogos. A tenista foi a principal estrela da abertura ao acender a pira olímpica.

Fonte: Folhapress

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

EM BREVE, SUA EMPRESA AQUI