Grupo cerca hospital para evitar aborto em menina de 10 anos no Espírito Santo - Barra d Alcântara News

últimas

Post Top Ad

Post Top Ad

EM BREVE, SUA EMPRESA AQUI

17 de ago. de 2020

Grupo cerca hospital para evitar aborto em menina de 10 anos no Espírito Santo




Parece não ter fim o drama da menina de 10 anos, moradora do interior do Espírito Santo, que teve a interrupção de uma gravidez fruto de estupro autorizada pela Justiça. Após passar mais de uma semana sob a guarda do Estado esperando uma decisão judicial e de ter tido um procedimento cancelado porque a equipe médica capixaba se negou a fazer a intervenção, a criança foi levada para Pernambuco, mas um grupo de manifestantes anti-aborto cercou o hospital neste domingo (16/8), na tentativa de impedir o procedimento.






Os manifestantes, a maioria religiosos ou membros de grupos de extrema-direita, alega que a gestação da menina já passou das 20 semanas e que mesmo o aborto legal a essa altura seria proibido. O tempo de gestação da menina, porém, não foi confirmado oficialmente.



O limite legal para o aborto quando a mulher é vítima de estupro é de 22 semanas de gestação e 500g de peso do feto.



O caso dela foi identificado pelas autoridades de São Mateus (ES) no último dia 8 de agosto, quando ela foi atendida em um hospital e teve a gravidez atestada. Chamada a polícia, a criança contou que sofria abusos há 4 anos. O autor seria um tio da vítima. O homem de 33 anos teve a prisão decretada e está foragido.



A autorização judicial para o aborto, pedido pelo Ministério Público, veio na sexta-feira (14/8). Nesse sábado (15/8), um hospital de Vitória (ES) alegou motivos técnicos para não realizar o procedimento e a Justiça determinou a ida da menina para outro estado.






A autorização para o aborto, segundo divulgado pelo site UOL, foi dada pelo juiz Antônio Moreira Fernandes, da Vara da Infância e da Juventude de São Mateus (ES), cidade onde a menina grávida mora. Ele atendeu pedido do Ministério Público Estadual (MP-ES), para quem o fato de a gestação decorrer de um estupro e representar riscos para a mãe torna o aborto legal.



Porém, apesar da decisão, o hospital para onde a garota foi levada, em Vitória, disse que não tinha condições para realizar o procedimento, argumentando que o tempo da gestação está muito avançado.



Transferência para Recife



Diante da recusa do hospital de Vitória, a Promotoria da Infância e da Juventude de São Mateus e a Secretaria Estadual de Saúde decidiram, então, pela transferência da paciente para Pernambuco, onde há uma equipe disposta e preparada para realizar o aborto.



Por nota, a Secretaria de Saúde de Pernambuco (SES-PE) informou que "segue a legislação vigente em relação à interrupção da gravidez (quando não há outro meio de salvar a vida da mulher, quando é resultado de estupro e nos diagnósticos de anencefalia), além dos protocolos do Ministério da Saúde para a realização do procedimento, oferecendo à vítima assistência emergencial, integral e multidisciplinar".

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

EM BREVE, SUA EMPRESA AQUI