O que a pandemia de gripe espanhola de 1918 pode nos ensinar sobre a Covid-19 - Barra d Alcântara News

últimas

Post Top Ad

Post Top Ad

EM BREVE, SUA EMPRESA AQUI

26 de set. de 2020

O que a pandemia de gripe espanhola de 1918 pode nos ensinar sobre a Covid-19



Neste ponto da pandemia do novo coronavírus, com mais de 32 milhões de casos acumulados e mais de 980 mil mortos em todo o mundo, podemos pensar que estamos vivendo uma situação "sem precedentes".

Essa pandemia, no entanto, na verdade não é sem precedentes: a última vez que lidamos com uma pandemia tão misteriosa, incontida e de longo alcance foi em 1918, quando o vírus influenza da gripe devastou populações em todo o mundo.


A gripe de 1918 matou de 50 a 100 milhões de pessoas até 1919. Os números de óbitos são muito mais superlativos, mas existem paralelos assustadores entre a gripe de 1918 e a pandemia de Covid-19 de 2020: uma doença com uma gama surpreendente de sintomas para os quais há pouco tratamento, o comportamento humano como um obstáculo à saúde pública e surtos que se espalharam, para citar alguns.

Por 102 anos, estudiosos do vírus influenza e especialistas em doenças infecciosas tentaram educar as massas na esperança de prevenir futuras pandemias. E, no entanto, aqui estamos.


Para ser claro: o coronavírus responsável pela atual pandemia não é um vírus de gripe. Mesmo assim, as pandemias de 1918 e 2020 compartilham semelhanças em termos de sua base em um vírus novo que abalou o mundo e todos os aspectos da sociedade.

Para aprender as lições da gripe de 1918, avaliar erros do presente e projetar nosso futuro pós-pandêmico, a CNN conversou com três especialistas no assunto.

Eles são John M. Barry, autor de "A Grande Influenza: A História da Pandemia Mais Mortal da História"; Dr. Jeremy Brown, um médico de atendimento de emergência e autor de "Influenza: A caça aos cem anos para curar a doença mais mortal da história"; e Gina Kolata, repórter de ciência e medicina do The New York Times e autora de "Gripe: a história da grande pandemia de influenza de 1918 e a busca pelo vírus que a causou".

Essas conversas foram editadas e condensadas para maior clareza.
Dois estudantes da Flórida se preparam para ir a escola em 1918, em meio à pandemia de gripe espanholaFoto: Florida Memory/ State Archives of Florida

CNN: Quais são as lições da pandemia de 1918?

John M. Barry: Número um: diga a verdade. Número dois: intervenções não farmacêuticas funcionam. Os países asiáticos e outros como Nova Zelândia, Alemanha e Senegal fizeram um trabalho incrivelmente bom por causa da transparência. Mas demonstramos que você pode realmente controlar o surto se fizer as intervenções não farmacêuticas (distanciamento social e máscaras). Nos Estados Unidos, não os fizemos. Não aderimos a eles; nós brincamos com eles.

Dr. Jeremy Brown: Houve uma reação contra o uso de máscaras em San Francisco no final de 1918 e no início de 1919. As pessoas estavam basicamente de saco cheio. Houve um grupo de libertários que sugeriu que era uma violação de seus direitos e liberdades ser forçado a usar máscaras, e isso acabou impedindo o conselho de saúde de renovar o mandato para uso obrigatório de máscaras.

O que aconteceu foi outro pico em São Francisco nos casos de gripe no início de 1919, e eles voltaram a usar máscaras. A mensagem é, talvez, que as coisas não são tão novas quanto parecem e que o comportamento humano em resposta a pandemias dessa magnitude é na verdade bastante previsível.

Gina Kolata: Embora saibamos exatamente como o vírus de 1918 era, ainda não sabemos por que ele era tão mortal.

E aqui temos o coronavírus, do qual sabemos muito mais, e ainda não sabemos realmente por que ele é tão mortal ou o que está fazendo. Eu acho que é uma lição muito poderosa que você pode pensar, "Eu sei biologia molecular, eu sei sobre vírus, eu sei como eles se replicam" e ainda pode haver essas doenças que você não entende.


CNN: Especialistas na gripe de 1918 e em doenças infecciosas fizeram muitos alertas para prevenir futuras pandemias. Onde você acha que erramos desde a gripe de 1918?

Brown: Temos que ter muito cuidado ao dizer: "bem, isso era óbvio, faça isso, faça aquilo." Mas acho que ficou bastante claro que a próxima ameaça de pandemia seria um vírus e não uma bactéria, fungo ou parasita. A maioria das pessoas pensava que seria uma pandemia de gripe, e eu fui uma delas.

Acho que precisávamos gastar mais tempo considerando que poderia ser uma gripe ou outras coisas. ealmente não importa, porque se tivéssemos planejado previamente como lidaríamos com uma pandemia de influenza, também teríamos um plano para saber como lidaríamos com uma pandemia de outro vírus.

Infelizmente, sabemos que o financiamento para essas coisas vem em ondas. O dinheiro do financiamento é distribuído com base essencialmente no que está acontecendo hoje. Pouca atenção é dada ao que pode acontecer no futuro, e nos tornamos complacentes com nossa crença de que temos a capacidade de controlar tudo. Estamos todos sujeitos aos grandes extremos do clima, mas também à natureza.

Se tivéssemos mantido o planejamento do que fazer no caso de uma futura pandemia, então, eu acho, estaríamos em um lugar muito, muito melhor. Mas a cada ano que você financia o planejamento de pandemia, você está dizendo não para financiar outra coisa. Quando não há nenhuma pandemia no horizonte, é muito fácil dizer: "por que não pegamos esses muitos milhões de dólares e os aplicamos na cura do mal de Alzheimer?"
Indianos utilizam máscaras e lenços para proteção contra o coronavírusFoto: CNN

CNN: Como a pandemia de 1918 acabou, e como você acha que a pandemia atual vai diminuir?

Brown: A influenza de 1918 diminuiu no início de 1919. Hoje, os vírus da influenza que circulam incluem um descendente do vírus H1N1 inicial de 1918. Portanto, estamos realmente expostos a um descendente dessa pandemia inicial.

De um modo geral, a doença infecciosa acaba quando as pessoas conseguem fugir dela até que ela desapareça e quando todas as pessoas expostas a ela morrem dela, então não há mais ninguém. E quando outras pessoas expostas sobrevivem e obtêm imunidade, o que lhe dá alguma proteção.

Vimos esses três efeitos ao longo da crise de 1918 e veremos algumas variantes disso hoje. Não há dúvida de que veremos o fim da Covid-19. A grande questão é: qual será o custo e quando será?

CNN: Dado o que você sabe sobre a gripe de 1918, com o que você está particularmente preocupado agora?

Barry: O que é mais preocupante é que sabemos que o vírus causa danos ao coração e aos pulmões, mesmo que as pessoas não tenham nenhum sintoma. Provavelmente danifica outros órgãos, mesmo em pessoas sem sintomas. Portanto, não sabemos os efeitos a longo prazo, se esse dano vai curar e se vai persegui-los e afetar suas vidas daqui a 10 ou 25 anos.

Brown: Estou mais preocupado com o egoísmo das pessoas e esse pensamento: "se estou bem, isso é tudo que importa". Acho que a mensagem que vimos é que as pessoas são egoístas em um grau notável que não acho que tenhamos visto antes. O egoísmo das pessoas e sua incapacidade de ter empatia por outras pessoas que não são como elas é um dos aspectos muito, muito preocupantes que a doença destacou. Acho que essa é uma parte profundamente enraizada da sociedade americana.

Kolata: Preocupo-me com a sociedade, o emprego, as pessoas que perderam tudo e as pessoas que não têm o suficiente para comer. Estou preocupada com as crianças na escola porque o aprendizado à distância não funciona. E universitários que precisam ir para a faculdade remotamente. Pessoas que acabaram de se formar não conseguem empregos. Eles são como uma geração perdida quando deveriam estar começando suas carreiras. Eu me preocupo com as pessoas que podem ter sequelas do vírus no futuro. Eu me preocupo com as pessoas que perdem membros da família.

Leia também:



CNN: Há algo sobre a atual pandemia que lhe dê esperança?

Barry: Trump está certo sobre uma coisa: esse vírus não vai desaparecer; vai ficar aqui para sempre. Mas acho que, eventualmente, o sistema imunológico das pessoas se ajustará a isso com ou sem vacina. Provavelmente não será tão perigoso no futuro como é agora. Pelo menos há uma boa chance disso.

Brown: Em primeiro lugar, as pessoas parecem voltar à normalidade muito rapidamente. Agora acho que é porque as doenças infecciosas eram uma ocorrência tão comum na virada do século - não tínhamos vacinas contra difteria, sarampo, hepatite ou meningite, então ondas dessas doenças eram muito comuns na Europa e nos Estados Unidos. As pessoas lidam com doenças infecciosas há séculos. Em 1918, eles se recuperaram com relativa rapidez.

Com a Covid-19, acho que ainda é uma questão em aberto se haverá uma recuperação econômica e, mais importante, uma recuperação emocional - já que agora seremos lembrados de maneiras que nunca fomos lembrados antes de que estamos sujeitos aos caprichos da natureza quando se trata de doenças.

Kolata: As sociedades de alguma forma superaram, se recuperaram e sobreviveram a algumas pandemias horríveis no passado que foram muito piores do que a que estamos enfrentando agora. Agora, pelo menos, temos uma chance de obter uma vacina que possa realmente interromper esse vírus antes que ele se espalhe por toda a população e afete todas as pessoas que podem ser afetadas. Então, eu tenho alguma esperança. F CNN

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

EM BREVE, SUA EMPRESA AQUI