PGM dá parecer favorável ao pagamento dos 22 projetos da Lei Aldir Blanc - Barra d Alcântara News

últimas

Post Top Ad

Post Top Ad

EM BREVE, SUA EMPRESA AQUI

10 de mar. de 2021

PGM dá parecer favorável ao pagamento dos 22 projetos da Lei Aldir Blanc

 Foto: FMC

Em parecer jurídico, a Procuradoria Geral do Município pontua que os questionamentos apresentados pela Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves (FMC) sobre a legalidade do pagamento aos 22 selecionados pelos editais da Lei Aldir Blanc não são suficientes para não efetivar o repasse aos artistas. Outros 166 projetos já receberam o pagamento dentro do prazo previsto. A decisão é do dia 08 de março de 2021.

“A PGM orienta que as nossas dúvidas não são motivos para o não pagamento. Os questionamentos, segundo a PGM, não são vedações para o não pagamento. Recomendou encaminhar para a Controladoria Geral do Município”, diz o presidente da Fundação municipal de Cultura Monsenhor Chaves (FMC), Scheyvan Lima. 

O presidente da FMC informou ao Cidadeverde.com que o departamento jurídico deverá encaminhar os 22 processos referentes aos 22 projetos à Controladoria Geral do Município até quarta-feira (10). 

“A PGM já se manifestou, foi uma avaliação jurídica. A CGM vai fazer uma avaliação documental, autorizando ou orientando o não pagamento”.

Se confirmado o pagamento, o presidente da FMC relata que até o momento não há previsão de repasse aos artistas.

Scheyvan Lima comenta que esse processo foi necessário para que o pagamento cumprisse o processo legal e de fiscalização pelos órgãos de controle. 

VEJA DECISÃO

Diante do exposto, nos limites da análise jurídica e excluídos os aspectos técnicos e o juízo de oportunidade e conveniência do ato pretendido, esta Procuradoria de Licitações, Contratos e Convênios Administrativos conclui:

As fichas de avaliação individualizadas não são exigidas pelos Editais n° 10/2020 – Linha II e n° 11/2020 – Linha III no momento do pagamento, motivo pelo qual não se pode condicionar a liberação dos recursos à sua apresentação. Exigir documentação além daquela prevista nos editais (e demais diplomas legais) é criar embaraço burocrático que fere os princípios da legalidade, da vinculação ao instrumento convocatório e pacta sunt servanda;

Considerando que um dos atributos do ato administrativo é justamente a presunção de legitimidade, até que se prove o contrário, a lista de classificação publicada no Diário Oficial do Município n° 2.901 é documento idôneo capaz de comprovar que os classificados atenderam às exigências do edital;

Despesas liquidadas, empenhadas e não pagas ao final do exercício passado se enquadram no conceito de restos a pagar, cujo adimplemento é de inteira responsabilidade do ordenador de despesa e exige prova do cumprimento dos artigos 58, 59, 60 e 63 da Lei Federal nº 4.320/64;

Se há algum indício de fraude ou desvio de recursos (o que não nos parece ser o caso, considerando apenas os fatos narrados no processo), deve-se oficiar o Ministério Público Federal, sem prejuízo de apuração interna no âmbito da FMC, a fim de evitar a responsabilização solidária do gestor em face de eventual irregularidade anteriormente praticada.

Eis o parecer, respeitado entendimento mais aprimorado acerca da matéria em comento.

À consideração superior.

Teresina, 08 de março de 2021.
 

ARI RICARDO DA ROCHA GOMES FERREIRA

Procurador do Município de Teresina/PI

 

No mês de fevereiro, a Procuradoria Geral do Município recomendou à Fundação Monsenhor Chaves a não liberar recursos de 22 projetos da Lei Aldir Blanc, diante da falta de documentações, que é de responsabilidade da Fundação, e não foram apresentadas pela gestão anterior. Os projetos somam cerca de R$ 615 mil.  A Fundação aprovou 188 projetos em Teresina. As fichas de avaliação dos processos aprovados, as atas da comissão de avaliação e os julgamentos eram alguns dos documentos em falta. 

Carlienne Carpaso
carliene@cidadeverde.com 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

EM BREVE, SUA EMPRESA AQUI