Em São Paulo, mais de 1.800 multas são aplicadas incorretamente em taxistas - Barra d Alcântara News

últimas

Post Top Ad

Post Top Ad

EM BREVE, SUA EMPRESA AQUI

29 de abr. de 2022

Em São Paulo, mais de 1.800 multas são aplicadas incorretamente em taxistas

 Foto: Arquivo Cidadeverde.com 

Mesmo amparados pela legislação de trânsito, taxistas foram autuados por percorreram as faixas e corredores de ônibus em São Paulo.

A CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) admitiu à Folha que identificou uma falha em um lote dos equipamentos de fiscalização eletrônica. Pelo menos, 1.838 multas deverão ser canceladas, informou assessoria de imprensa do órgão na noite de quinta-feira (28).

Segundo a companhia, o problema já foi resolvido e as multas serão canceladas. "A CET solicita que, ao receber uma multa indevida, o taxista entre com o recurso para que o caso possa ser analisado e as autuações sejam anuladas", diz a nota.

Na notificação, a infração é descrita como "transitar na faixa ou via exclusiva regulamentada para transporte público coletivo de passageiros".
A multa é considerada gravíssima com sete pontos na carteira de habilitação e custo de R$ 293,47.

No entanto, em 2021 o prefeito Ricardo Nunes (MDB) sancionou uma lei que permite aos taxistas transitarem nesses trechos. O texto deu respaldo jurídico à categoria e consolidou uma autorização para a circulação de táxis em faixas e corredores exclusivos de ônibus que já estava em vigor, por meio de portaria da Secretaria Municipal de Transporte.

Para as faixas exclusivas, a circulação está liberada para o táxi com ou sem passageiro a qualquer horário e dia da semana.

Já nos corredores de ônibus do transporte público, as regras mudam conforme o horário. Das 6h às 20h dos dias úteis, o taxista só pode trafegar ali quando acompanhado de passageiro. No resto do tempo –das 20h às 6h de segunda a sexta, sábados, domingos e feriados– o uso é liberado mesmo com o carro vazio.

Na semana passada, após ouvir queixas desses profissionais, o vereador Adilson Amadeu (União Brasil) encaminhou um ofício à Secretaria Municipal de Mobilidade e Trânsito. "Pudemos notar um grande número de reclamações e uma similaridade nas autuações", disse ele, que tem base eleitoral entre os taxistas. "Falei com os secretários, que já admitiram o problema e agora estão buscando uma solução para que essas autuações indevidas sejam revertidas", completou.

O taxista Flávio Gomes da Silva diz ter sido autuado 20 vezes ao utilizar corredores e faixas, inclusive após às 20h e aos sábados em avenidas da zona sul da capital paulista entre março e abril.

No dia 13 de abril, ele recorreu das punições através do Departamento de Operação do Sistema Viário (DSV), mas afirmou nesta quinta (28) que o pedido está em processo de análise.

"Sou taxista há oito anos e nunca aconteceu isso, seja erro do sistema ou não, estou recebendo multas e temo perder a minha carteira de habilitação", afirmou.

A reportagem teve acesso a dezenas de autos de infrações emitidos entre março e abril. Ocorreram flagrantes em vias como as avenidas Professor Francisco Morato e Rebouças (zona oeste) e estradas de Itapecerica e M'Boi Mirim.

"Muitos taxistas estão com o mesmo problema, a maioria dos que conheço são donos de carros com a placa [no formato] Mercosul", disse o motorista.

As placas do padrão Mercosul passaram a ser adotadas no Brasil desde o começo de 2020. Mas não é possível afirmar que o problema existe somente para esse público.

Segundo a CET, os equipamentos eletrônicos de fiscalização fazem a leitura automática da placa tanto no formato antigo quanto no novo padrão. Após a captura da imagem, caso o automóvel esteja de acordo com a legislação, ele não é autuado.

Taxista há 16 anos, Marcos Vinícius Alves, 47, diz que recebeu seis multas na mesma avenida, a Atlântica. O seu medo é o de ter a CNH (Carteira Nacional de Habilitação) suspensa.

"Eu dependo totalmente do táxi para criar meus filhos, sustentar minha família. Se eu perder o direito de ser taxista, não sei o que vou fazer", diz ele.

Com dez multas, Kátia Cristina Oishi, 54, taxista há cinco anos, compartilha desse medo de perder o direito de dirigir. Assim como Silva e Alves, ela também recorreu, mas ainda não teve um veredito. "Entendo que poderiam filtrar estes casos no sistema e já providenciar o cancelamento."

 

Fonte: Folhapress

Nenhum comentário:

Postar um comentário