Irmãs são acusadas de espalhar coronavírus após morte de parentes - Barra d Alcântara News

últimas

Post Top Ad

Post Top Ad

EM BREVE, SUA EMPRESA AQUI

23 de jun. de 2020

Irmãs são acusadas de espalhar coronavírus após morte de parentes


Em 11 de junho, as irmãs Dalylla Lopes, de 27 anos, Talytta, 22, e Samylla, 21, se mudaram de Alto Araguaia, cidade mato-grossense localizada na divisa com Goiás. Elas afirmam que deixaram a cidade em que nasceram para buscar um pouco de paz, em meio à maior tragédia da família, causada pelo novo coronavírus.

Seis dias antes, a mãe delas, Lígia Suely Lopes, de 42 anos, morreu em decorrência da covid-19. No fim de maio, as irmãs haviam perdido o avô materno, Joaquim de Oliveira, de 74 anos, para a mesma doença!

"Tem sido o período mais difícil das nossas vidas", resume Dalylla à BBC News Brasil. Ela contraiu a Covid-19 e se recuperou, assim como outros quatro familiares.


Os casos na família foram os primeiros diagnósticos de covid-19 no município de 17,5 mil habitantes. Atualmente, mais de um mês depois, Alto Araguaia tem 23 casos confirmados e três mortes, incluindo as de Lígia e Joaquim.


Em meio à doença causada pelo novo coronavírus , a família passou a receber comentários e acusações nas redes sociais. "Disseram que fomos as responsáveis por levar o vírus para a nossa cidade. Recebemos muitas críticas. Isso tudo é muito triste", comenta Dalylla.


As irmãs relatam que as diversas críticas que recebem têm tornado o atual período ainda mais difícil. "Estamos vivendo à base de remédios para dormir. A nossa vida nunca vai ser a mesma. Além das perdas, precisamos lidar com a falta de empatia das pessoas. Toda hora recebemos algum comentário maldoso nas redes sociais", lamenta Talytta.


O primeiro caso confirmado em Alto Araguaia

As irmãs contam que a tragédia teve início após a primeira semana de maio, depois que Dalylla visitou uma amiga, em uma cidade vizinha. "Foi uma infelicidade muito grande. Eu estava de folga e decidi encontrá-la", conta Dalylla.


No começo de maio, o país já enfrentava crescimento exponencial de casos e mortes e uma das principais orientações era o isolamento social . Mas Dalylla admite que não acreditava que poderia contrair o vírus no encontro com a amiga, pois não havia nenhum registro na região.



Ela comenta que foi à casa da amiga junto com o filho caçula, de nove meses. "Não era um churrasco ou uma festa. Era apenas um encontro de amigas", argumenta. No local, também havia uma outra mulher. "Ela era colega da minha amiga e tinha acabado de chegar do Sul do país. Ela deveria estar em quarentena, porque tinha voltado de viagem, mas estava lá."

"Essa conhecida brincou com o meu filho durante o encontro. Pode ser que nesse momento ela tenha passado o vírus para ele", diz Dalylla.


Dias depois, segundo Dalylla, a conhecida testou positivo para a covid-19. Foi o primeiro caso confirmado na cidade vizinha.


Dalylla e o filho começaram a apresentar sintomas da covid-19. "Tivemos febre e tosse, mas a princípio não demos importância. Passamos a desconfiar que poderia ser covid-19 quando descobrimos que a mulher que havia testado positivo na cidade vizinha era aquela que esteve junto comigo e com a minha amiga", relata.

A mãe, os avós e a irmã do meio, Talytta, também apresentaram sintomas. A caçula, Samylla, e os dois filhos mais velhos de Dalylla não tiveram sintomas.

Os testes confirmaram que Dalylla e o caçula haviam sido infectados pelo novo coronavírus. "Desde os primeiros sintomas, ficamos em isolamento e comunicamos a todos que tivemos contato naqueles últimos dias. Como a minha mãe era da área da saúde, ela era muito preocupada com isso", comenta Samylla.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

EM BREVE, SUA EMPRESA AQUI