Após denúncias, governo Bolsonaro discute cancelar contrato da Covaxin, alvo de CPI e Procuradoria - Barra d Alcântara News

últimas

Post Top Ad

Post Top Ad

EM BREVE, SUA EMPRESA AQUI

24 de jun. de 2021

Após denúncias, governo Bolsonaro discute cancelar contrato da Covaxin, alvo de CPI e Procuradoria

 Foto: Roberta Aline/Cidadeverde.com 

O governo estuda cancelar o contrato assinado com a Precisa Medicamentos em fevereiro para obter 20 milhões de doses da vacina indiana Covaxin, produzida pela Bharat Biotech, no momento em que avançam as investigações a respeito de indícios de irregularidades do acordo.

O cancelamento do contrato passou a ser discutido em vários setores do Ministério da Saúde e já chegou ao conhecimento da Casa Civil.

Uma das possibilidades é rescindir o acordo em razão do atraso na entrega das unidades contratadas e também da falta de previsão da chegada do imunizante ao Brasil.

Outra hipótese é que não haja assinatura do termo de compromisso exigido pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) com condições para importação de parte das doses. As alternativas são debatidas com a consultoria jurídica, departamento de integridade e área técnica da Saúde.

Uma reunião para discutir o tema foi realizada na quarta-feira (23), mas ainda sem definição. A avaliação inicial, porém, é deixar o contrato em stand-by, sem que haja esforço para importação dos 4 milhões de doses iniciais alvo de autorização condicional da Anvisa. A existência de denúncias de irregularidades foi revelada pela Folha na sexta-feira passada (18), com a divulgação do depoimento sigiloso de Luís Ricardo Miranda, chefe da divisão de importação do Ministério da Saúde, e irmão do deputado.

Ele disse ao Ministério Público Federal em Brasília que recebeu uma "pressão atípica" para agilizar a liberação da Covaxin, desenvolvida pelo laboratório Bharat Biotech. O contrato com a Precisa, que representava a vacina no Brasil, foi firmado em fevereiro, ainda em um momento em que a vacina não tinha tido todos os resultados de estudos clínicos divulgados, e com previsão de custo de US$ 15 a dose.

Meses antes, o ministério já tinha negado propostas de vacinas mais baratas e já aprovadas em outros países, como a Pfizer. Integrantes do governo Bolsonaro afirmam que a tentativa que foi feita de acelerar os trâmites para a chegada de doses da Covaxin tinha como objetivo assegurar imunizantes ainda no primeiro semestre de 2021.

A intenção era garantir volume razoável de unidades no segundo trimestre do ano. Isso porque no governo a avaliação é a de que já há alto número de doses contratadas pelo governo para o segundo semestre. Cronogramas iniciais da Saúde previam entrega de 8 milhões de doses em março, 8 milhões em abril e 4 milhões em maio. A previsão de entrega das doses, no entanto, nunca foi cumprida. Ao longo dos últimos meses, a vacina também passou por idas e vindas em avaliações na Anvisa.

Recentemente, a agência deu aval para importação de 4 milhões de doses, mas a entrega ainda não tem prazo. Procurada, a Precisa não deu informações até o momento. As investigações sobre irregularidades no contrato ocorriam no curso de um inquérito civil público aberto pela Procuradoria da República no Distrito Federal.

Depois, o caso foi desmembrado, diante dos indícios de crimes na contratação. O fato de o governo de Jair Bolsonaro ter reservado R$ 1,61 bilhão para uma vacina sem perspectiva de entrega, com quebras de cláusulas contratuais, já se configura um prejuízo à saúde pública, disse à Folha de S.Paulo a procuradora da República Luciana Loureiro, responsável pelo inquérito civil.

O Planalto, por sua vez, reagiu no fim da tarde desta quarta (23) escalando um dos investigados pela CPI para explicar o caso Covaxin -Elcio Franco, assessor especial da Casa Civil e ex-secretário-executivo do Ministério da Saúde-, mas sem conseguir rebater o eixo das suspeitas.


Fonte:Folhapress

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

EM BREVE, SUA EMPRESA AQUI